8 de março de 2016

A mulher de que sou feita



A mulher que de mil longes
me alforria
 chama-me para o exemplo
de um tempo que se ausenta.

Um campo
 repartido de palavras,
com flores carpidas dentro,
a concentra.

A mulher em que me hospedo
aprendeu a domar metade das pedras:
emparedou-as nos preâmbulos
do rio.
Não lembra mais em que rio.

Aprofunda o desafio
de saber o que já não serve
para sorver...
na curva incerta das falanges.

Absolve-se de tudo que ainda range.

Abrange-se nas margens descalças
- tão mais libertas -
do manco dos tamancos.

A mulher em que me estanco
não se isenta daquela que não fui,
mas flui, atenta,
aos trancos...
no tinto vinho dos quarenta.

Experimenta a vida desde a ida
dessas vinhas.

Dessas vindas...e vindas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário