12 de junho de 2015

respirações mínimas sobre o amor


O amor é um rumor de remos
lançados em mares
nunca pequenos.

Se para eles ainda não fomos,
nós iremos.

Arrumando rumos,
remoendo rimas, amoras
e arames de tecer as horas,
sobre os derrames
da eternidade
e mais um pouco de agora.

O amor é éter de atar vontades.
Avatar envolto na selva cheia,
da saudade.

Clichê, por vezes renascido
de novidades.

Longe. Porto.

Perto.Sonho.

 Senha de Eros.
 Urso.
Desenho incerto.

Insônia dos justos.

Susto em movimento.

 Relento.
Alento.

 Mantimento e fome.

Indigência.
Nome.

Gume entreaberto.
Deserto em que me encharco.
Costume. Voo.
Ninho ao vento.

Vaga-lume-marinho
com barcos de pousar dentro.