15 de março de 2015

um pouco de prosa...

da série
Breves Ensaios  Recortados para Pulso

                                          

VINTE

“...que seus licores filtrem-se em mim,
nessa cápsula de vidro,
entorpecendo e apaziguando.
Mas sem cor. Sem cor alguma.”
Sylvia Plath

Vazios. Prefiro os de antes.Uns arrozais plantados nos olhos da infância. Viagens. Gostava dos asfaltos de domingo. E uma calma implantada por Deus, quando me cuidava. Agora,  azuis devastados. Estradas gerais, apenas. Brancos incontestáveis. Aventais de chuva. Bolinhos de avó.Ontem. Agora sal. Superfície de areia. Extremidades no caos. Menos. Cemitério em mim. Águas extraviadas. Brasas sobre a pele. Os dentes esforçados no verbo. Sorriso dentro. Uns dedos inventados em anéis de cortiça. Calores de isopor. Baixo ponto de ebulição. Da lágrima.
Pormenores mortais.
O de sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário