8 de agosto de 2011

Acidente

 
A borboleta que sabotei
era de um laranja recente
com escuros impedidos.

Ela acabara de começar sua alegria
...fazendo do asfalto
a última travessia.

Olhou para o ceu
pela última vez
desprevenindo-me em
dissipável culpa.

Já não pode nomear
os restos desse dia.

Delicado cadáver de pólen...
uma tragédia disponível.

3 de agosto de 2011

Sexta Revelação

Do Livro de Isólithus

                                                                     Marcelino Castro



- Onde estiveste, Isólithus?


- Indeferindo a vaziez humana 
  e seu pequeno cemitério de ostras.

- Por que ampliaste meu consentimento
   se já posso aceitar a dúvida como a mim mesmo?

                                  - Para livrar-te da sede
                                    no fazer dormir das pérolas.