19 de novembro de 2010

Andaimes

  Paulo César


Em caminhos expostos
reverter meus ossos.
Insondáveis perímetros 
arrancam-me.
Trazem-me.
De onde para onde...
não sei.

As fraturas do tempo
não devolvem os andaimes.
Elas semeiam.

2 comentários:

  1. Que belo semear! As fraturas tornam-se farturas, abastecem, alimentam a vida da alma.

    ResponderExcluir
  2. Obrigadíssima, Marli, por sua leitura e por seu carinho!!! Feliz! Abastecem. Nutrem a seiva da escrita! Ainda bem...Bj.

    ResponderExcluir